quarta-feira, 29 de junho de 2016

Capítulo 26

Will chamou o último grupo de dez homens para frente da linha de tiro. O grupo anterior voltou para trás das fileiras de espera e sentou para assistir. Ele estava trabalhando os homens em pequenos grupos nesta fase. Isso lhe dava um grupo para trabalhar para testar a sua capacidade para seguir suas ordens e atirar em uma altitude pré-determinada.
 Pronto! — Chamou.
Cada um tomou uma flecha da bandeja na frente dele e colocou no arco. Eles estavam prontos, com as cabeças voltadas para ele, esperando sua próxima ordem.
 Lembrem-se não tente julgar o tiro você mesmo. Basta ir para a posição que eu falar, fazer uma tração integral e uma liberação suave quando eu disser.
Os homens acenaram. Inicialmente, eles não tinham gostado da ideia de ter seu disparo controlado por alguém tão jovem como Will. Então, depois que Halt tinha incentivado seu aprendiz a dar uma demonstração de alta velocidade, eles tinham concordado relutantemente seguir Will.
Will respirou fundo, falou então firmemente:
— Posição três! Agora!
Dez braços segurando arcos subiram para uma posição de cerca de quarenta graus em relação à horizontal. Will olhou rapidamente para baixo da linha para ver que cada homem tinha lembrado da posição correta. Ele tinha feito o treinamento de quatro elevações diferentes em todos os dias. Satisfeito, e antes que alguém levantasse muito o arco para cima, ele ordenou:
 Disparem!
Quase como um, houve um deslizar rápido de arcos liberados e um silvo das flechas de arco através do ar. Will assistiu o pequeno voo para cima, em seguida, o mergulho para baixo para enterrar-se até metade do seu comprimento no relvado. Mais uma vez ele chamou a fila de espera dos homens:
 Posição três, pronto!
Como antes, os dez homens colocaram flechas nas cordas, aguardando a próxima chamada de Will.
 Preparar... Atirem!
Novamente houve a batida de arcos acertando o braço, e o som das hastes de madeira raspagem passado os arcos que foram lançados para o ar. Assim que as flechas desceram, Will mudou de comando.
 Posição dois... Pronto!
A linha de armas a esquerda estava segurando os arcos estendidos e inclinados para cima em um ângulo de trinta graus.
 Preparar... Disparem!
E outras dez flechas estavam a caminho. Will assentiu aos dez homens, que estavam na expectativa de vê-lo.
 Tudo bem — disse ele. — Vamos ver como vocês foram.
Ele começou a andar por todo o campo aberto, seguido pelos dez homens que tinham acabado de atirar. Havia marcas estabelecidas no meio do campo, marcando 100, 150 e 200 metros de distância. A posição três, com os braços elevados com o arco em quarenta graus em relação à horizontal, deverá ter igualado o marcador de 150 metros. Quando eles se aproximaram do marcador, Will assentiu com satisfação. Havia dezesseis flechas inclinando-se na relva dentro de uma tolerância de dez metros da marca. Duas tinham ido muito além, percebeu, e mais duas havia caído antes. Ele estudou os tiros longos.
Os eixos foram numerados de modo que pudesse avaliar como cada membro da linha de tiro tinha realizado. Ele viu agora que os dois pertenciam a dois arqueiros diferentes. Movendo de volta para as flechas que tinha o alvo inferior, ele franziu ligeiramente. As flechas foram marcadas ambas com o mesmo número. Isso significava que o mesmo arqueiro tinha deixado cair seu tiro mais curto que a marca duas vezes. Will tomou conhecimento do número, em seguida, voltou para ver os resultados do final. A carranca aprofundou quando ele viu que eram nove flechas bem agrupadas, com uma pequena queda pela mesma margem. Ele realmente não precisava verificar, mas um olhar rápido mostrou-lhe que, mais uma vez, o mesmo arqueiro teve a distância inferior. Ele resmungou pensativo.
 Tudo bem — ele chamou. — Recuperarem as suas flechas.
Então, ele abriu o caminho de volta ao ponto de disparo, a seguir os dez homens atrás dele.
— Quem ficou na posição de número quatro? — Perguntou.
Um dos arqueiros avançou, hesitante segurando as mãos e olhando como um aluno na escola nervoso. Ele era um homem corpulento barbudo de cerca de quarenta anos, Will notou, mas sua atitude mostrou que ele estava totalmente temeroso em relação ao jovem arqueiro à sua frente.
 Era eu, a sua honra — disse ele.
Will acenou-lhe mais perto.
 Traga o seu arco e duas ou três flechas — falou ele.
O homem pegou seu arco, e selecionou duas flechas da bandeja que estavam com sua numeração de tiro. Ele estava nervoso por ter sido escolhido e rapidamente deixou cair as flechas, lutando sem jeito para recuperá-las.
 Relaxe — Will disse a ele. — Eu só quero verificar a sua técnica.
O homem tentou sorrir em retorno. Ele tinha visto que suas flechas tinham caído antes e assumiu que estava prestes a ser punido. Essa era a forma como era a vida de um escravo em Hallasholm. Se fosse dito a você para fazer algo e você não fizesse isso, você era punido. Agora, o jovem de cabelo castanho que dirigia a sessão estava sorrindo para ele e dizendo-lhe para relaxar. Foi uma experiência nova.
 Tome uma posição — Will disse ao homem e ficaram lado a lado no campo de tiro, o pé esquerdo estendido, mão esquerda segurando o arco na altura da cintura. — Posição três — Will disse calmamente, e o homem assumiu a posição que havia treinado com ele todos os dias anteriores, o seu braço esquerdo segurando o arco em quarenta graus e distância quase máxima.
Will o estudou. Parecia haver pouco errado com a postura do homem.
 Tudo bem — disse — Preparar, por favor.
O homem estava usando muito o músculo do braço e não o suficiente de seus músculos das costas para desenhar a curva, Will pensou. Mas isso era uma falha menor. Não haveria nenhuma maneira de mudar isso no momento em que tinha deixado.
 E... Atirar.
Lá estava, Will pensando. Uma fração de segundo antes que o homem lançasse seu tiro, relaxou o aperto, soltando um pouco o arco e deixando a flecha para baixo um pouco antes de realmente deixa-la escapar da corda. Isso significava que, no momento do lançamento, a flecha estava em um alvo menor do que a faixa, o que significava que receberia menos do que todo o poder do arco. Halt e Will tinham testado todos os arcos para se certificar de que eles eram semelhantes em peso e as flechas estavam todas exatamente no mesmo comprimento para garantir resultados tão consistentes quanto possível. A principal causa para a variação seria poucos erros técnicos como este.
Ele olhou para o intervalo para onde os voos da flecha eram visíveis contra a grama, de um tom marrom encharcado do degelo da primavera. Como havia suspeitado, o lançamento foi curto novamente.
Will explicou o motivo do problema para o homem, vendo a partir da expressão de surpresa que ele não tinha ideia de que estava relaxando no lançamento, no momento crucial.
 Trabalhe com isso — disse ele, dando-lhe uma batidinha encorajadora sobre o ombro.
Halt tinha dito a ele o fato de que um pouco de incentivo em questões como estas eram melhores do que a crítica mordaz. Will ficou surpreso quando Halt o tinha colocado na carga de treinamento dos arqueiros. Mesmo sabendo que ele estaria dirigindo os arqueiros durante a batalha, assumiu que Halt iria supervisionar a sua formação. Mas o arqueiro tinha reiterado seu sentimento anterior.
 Você é a pessoa que estará dirigindo-as uma vez que estivermos lutando. Assim eles se acostumaram a seguir suas ordens desde o início.
Will lembrou outro conselho do Arqueiro. Os homens trabalham melhor quando sabem o que você tem em mente”, disse ao jovem aprendiz. “Então se certifique de dizer-lhes tanto quanto possível”.
Ele subiu em uma plataforma elevada, que tinha sido colocado ali com a finalidade de tratar todo o grupo.
 Está bom por hoje — disse em uma voz elevada. — Amanhã vamos atirar como um grupo. Se eu peguei todas as falhas técnicas em seus tiros de hoje, trate de se livrar delas antes da refeição da noite. Então, um bom descanso e boa noite.
Ele começou a se afastar, em seguida, virou-se, lembrando de mais uma coisa.
— Bom trabalho, todos vocês — falou. — Se continuarem assim, vamos dar a esses Temujai uma surpresa muito desagradável.
Um rugido de prazer ressuscitou dos cem homens. Em seguida, eles romperam, voltando para o calor dos salões e lojas. Will percebeu que era mais do que ele esperava. O sol estava tocando os topos das colinas além de Hallasholm e as sombras se alongavam. A brisa da noite estava fria e ele tremia, alcançando o manto que tinha pendurado no parapeito da plataforma quando ele se dirigiu ao treino.
Meia dúzia de rapazes tinham sido atribuídos para ajudar, e sem as ordens dele se reuniram para pegar as flechas, colocando-os sob a tampa em um dos galpões da loja de frente para o campo de prática. Não pôde deixar de notar os olhares admirados que lançavam em seu caminho quando andavam sobre seu trabalho. Ele era apenas alguns anos mais velhos do que eles, no entanto, lá estava ele, dirigindo uma força de cem arqueiros. Sorriu para si mesmo. Ele não seria humano se não tivesse apreciado o seu culto do herói.
 Você está satisfeito com si mesmo — disse uma voz familiar.
Ele se virou e percebeu Horace que devia ter chegado enquanto ele estava a falar com os homens. Ele deu de ombros, tentando agir tímido.
 Eles estão indo muito bem — respondeu. — Foi um dia proveitoso.
Horace acenou.
 Percebi — ele disse. Então, em um tom preocupado, ele continuou: — Evanlyn não esteve aqui com você, esteve?
Will olhou para ele, de imediato, na defensiva.
— E se ela esteve? — Perguntou, um tom argumentativo rastejando em sua voz. Imediatamente, ele viu o olhar preocupado no rosto de Horace e percebeu que interpretou mal o motivo da pergunta do amigo.
 Então ela esteve aqui? — Horace falou. — Isso é um alívio. Onde ela está agora?
Agora foi a vez de Will franzir.
 Um momento — ele disse, colocando a mão no antebraço muscular de Horace. — Por que é um alívio? Há algo de errado?
 Então ela não está aqui? — Horace perguntou, e seu rosto voltou a cair quando Will balançou a cabeça.
 Não. Pensei que você estava com... você sabe...
Will estava prestes a dizer com ciúmes, mas ele não conseguia controlá-lo. A ideia de que Horace poderia ter ciúmes tinha um sentido de vanglória sobre ele. Ele viu imediatamente que esses pensamentos estavam longe da mente de Horace. O aprendiz de guerreiro mal parecia notar a hesitação de Will.
 Ela está desaparecida — disse ele, no mesmo tom preocupado. Ele jogou as mãos para fora e olhou ao redor do campo de prática vazio, como se de algum modo esperasse vê-la aparecer ali. — Ninguém a viu desde o meio da manhã de ontem. Eu procurei em todos os lugares por ela, mas não há sinal.
 Desaparecida? — Repetiu, sem entender muito. — Desaparecida onde?
Horace olhou para ele com um repentino surto de aspereza.
 Se soubéssemos onde, ela não estaria desaparecida, estaria?
Will colocou as mãos em um gesto de paz.
 Você está certo! — Disse ele. — Eu não tinha percebido. Eu fiquei um pouco ocupado organizando os arqueiros. Certamente alguém deve tê-la visto na noite passada. Seus servos, por exemplo?
Horace balançou a cabeça miseravelmente.
 Eu perguntei-lhes — disse ele. — Eu estava na patrulha de ontem, mantendo um olho na abordagem Temujai. Nós não voltamos para Hallasholm até bem depois da hora do jantar, então não sabia que ela não estava por perto. Foi só hoje de manhã, quando fui encontrá-la que descobri que ela não estava em seu quarto na noite passada e que ninguém a tinha visto hoje. É por isso que eu esperava que talvez você... — A frase travou e Will balançou a cabeça.
 Eu não vi nem um fio do cabelo dela — disse ao amigo. — Mas é ridículo! — Exclamou depois de um breve silêncio. — Hallasholm não é um lugar grande o suficiente para alguém desaparecer. E não há outro lugar que ela poderia ter ido. Vamos encontrá-la, ela não pode simplesmente desaparecer... Pode?
Horace encolheu os ombros.
 É isso que eu continuo dizendo a mim mesmo — disse ele melancolicamente. — Mas de alguma forma, parece que ela pode.

Nenhum comentário:

Postar um comentário