domingo, 12 de junho de 2016

Apêndice F - Medidas lineares númenorianas

Uma nota associada ao o trecho em “O desastre dos Campos de Lis”, que trata das diferentes rotas de Osgiliath a Imladris, diz o seguinte: As medidas de distância estão convertidas com a exatidão possível em termos modernos.
Usa-se “légua” porque essa era a mais longa medida de distância: no sistema númenoriano (que era decimal) cinco mil rangar (passos completos) perfaziam um lár, que equivalia muito aproximadamente a três das nossas milhas. Lár significava “pausa”, porque, exceto em marchas forçadas, normalmente se fazia uma breve parada após percorrer essa distância. O ranga númenoriano era um pouco maior que nossa jarda, cerca de 38 polegadas, em virtude de sua maior estatura. Portanto cinco mil rangar equivaleriam quase exatamente a 5.280 jardas, nossa “légua”: 5.277 jardas, dois pés e quatro polegadas, supondo que a equivalência acima fosse exata.
Isso não pode ser determinado, pois tem como base os comprimentos que as histórias dão de várias coisas, e distâncias que podem ser comparadas com as de nossos tempos. Tem-se de levar em conta a maior estatura dos númenorianos (visto que as mãos, os pés, os dedos e os passos são origens prováveis dos nomes das unidades de comprimento), e também as variações dessas médias ou normas no processo de fixação e organização de um sistema de medidas, tanto para o uso diário quanto para cálculos exatos. Assim, costumava-se chamar dois rangar “altura de homem”, o que com base em 38 polegadas dá uma altura média de seis pés e quatro polegadas; mas isso foi em uma época mais tardia, quando a estatura dos dúnedain parece ter diminuído, e também não se pretendia que fosse uma medida exata da média observada da estatura masculina entre eles, mas sim um comprimento aproximado expresso na unidade bem conhecida ranga. (Muitas vezes se diz que o ranga era o comprimento do passo, do calcanhar traseiro até o artelho dianteiro, de um homem adulto marchando depressa, mas à vontade; um passo largo “podia ser aproximadamente um ranga e meio”.) No entanto, diz-se das grandes pessoas do passado que tinham mais que uma altura de homem. Afirma-se que Elendil “era maior que uma altura de homem em quase meio rangamas ele era considerado o mais alto de todos os númenorianos que escaparam da Queda [e de fato era geralmente conhecido como Elendil, o Alto]. Os eldar dos
Dias Antigos também eram muito altos. Diz-se que Galadriel, “a mais alta de todas as mulheres dos eldar de quem falam os contos”, media uma altura de homem, mas está observado “de acordo com a medida dos dúnedain e dos homens de outrora”, indicando uma altura de cerca de seis pés e quatro polegadas.
Os rohirrim eram em geral mais baixos, pois em sua ascendência remota haviam se misturado com homens de compleição mais larga e mais pesada. Diz-se que Éomer era alto, da mesma estatura que Aragorn; mas ele e outros descendentes do Rei Thengel eram mais altos que a norma de Rohan, derivando esta característica (em alguns casos junto com cabelos mais escuros) de Morwen, esposa de Thengel, uma senhora de Gondor de alta ascendência númenoriana.
Uma nota ao texto recém-citado acrescenta algumas informações sobre Morwen àquilo que se diz no Senhor dos Anéis (Apêndice A (II), “Os reis da Terra dos cavaleiros”):

Ela era conhecida como Morwen de Lossamach, pois lá vivia; mas não pertencia ao povo daquela terra. Seu pai mudara-se de Belfalas para lá, por amor aos seus vales floridos; ele descendia de um antigo Príncipe daquele feudo, e era portanto parente do Príncipe Imrahil. Seu parentesco com Éomer de Rohan, apesar de distante, era reconhecido por Imrahil, e grande amizade cresceu entre eles. Éomer casou-se com a filha de Imrahil [Lothíriel], e o filho deles, Elfwine, o Belo. era notavelmente parecido com o pai de sua mãe.

Outra nota sobre Celeborn afirma que ele era “uma linda de Valinor” (isto é, um dos teleri, cujo nome para si mesmos era Lindar, os Cantores), e que

Era considerado alto por eles, como indica seu nome (“alto de prata”); mas os teleri eram em geral um tanto menores de compleição e estatura que os noldor.

Essa é a versão tardia da história da origem de Celeborn e do significado de seu nome.
Em outro lugar meu pai escreveu sobre a estatura dos hobbits em relação à dos númenorianos e sobre a origem do nome Pequenos*: As observações [sobre a estatura dos hobbits] no Prólogo do Senhor dos Anéis são desnecessariamente vagas e complicadas, em virtude da inclusão de referências à sobrevivência da raça em tempos posteriores; mas no que concerne ao Senhor dos Anéis elas se resumem ao seguinte: os hobbits do Condado tinham uma altura entre três e quatro pés, nunca menos e raramente mais. É claro que não se chamavam de Pequenos; esse era o termo númenoriano para eles. O termo evidentemente se referia à sua altura em comparação com os homens númenorianos, e era bastante exato quando foi dado. Aplicou-se primeiro aos Pés-Peludos, que se tornaram conhecidos dos governantes de Arnor no século XI [cf. o registro de 1050 no Conto dos Anos], e depois, mais tarde, também aos Cascalvas e Grados. Os Reinos do Norte e do Sul permaneciam em estreita comunicação naquela época, e de fato até muito depois, e cada um deles estava bem informado de todos os acontecimentos na outra região, em especial da migração de todos os tipos de povos. Assim, apesar de nenhum “pequeno” ter efetivamente surgido em Gondor antes de Peregrin Tûk, ao que se saiba a existência desse povo no reino de Arthedain era conhecida em Gondor, e cada um deles era chamado de Pequeno, ou em sindarin perian. Assim que Frodo foi trazido ao conhecimento de Boromir [no Conselho de Elrond], este o reconheceu como membro daquela raça. É provável que até então ele os tivesse considerado criaturas daquilo que nós chamaríamos de contos de fadas ou folclore. Parece evidente, pela recepção de Pippin em Gondor, que os “pequenos” de fato eram lembrados ali.

* No original halflings, palavra derivada do inglês half, “metade”. [N. do T.]

Em outra versão dessa nota diz-se mais sobre a estatura minguante, tanto dos Pequenos quanto dos númenorianos:

O decréscimo na estatura dos dúnedain não era uma tendência normal, compartilhada por povos cujo lar normal era a Terra Média; mas era decorrente da perda de sua antiga terra, no longínquo oeste, de todas as terras mortais a mais próxima do Reino Imortal. O decréscimo na estatura dos hobbits, muito mais tarde, deve ser devido a uma mudança em seu estado e modo de vida; tornaram-se um povo fugitivo e secreto, impelido (à medida que os homens, as Pessoas Grandes, se tornavam cada vez mais numerosos, usurpando as terras mais férteis e habitáveis) ao refúgio na floresta ou nos ermos, um povo errante e pobre, esquecido de suas artes, vivendo uma vida precária, dedicado à busca por alimento e temeroso de ser visto.

Nenhum comentário:

Postar um comentário