quarta-feira, 4 de maio de 2016

Capítulo 27

TODOS AINDA ESTAVAM NO CAFÉ da manhã, assim o escritório permanecia vazio. Com o sol entrando pelas janelas, sentamos juntas em um sofá, as pernas dobradas embaixo de nós, como se esta fosse a manhã após uma festa do pijama.
— Eu não penso assim. Algo me fez sentir que foi tão... forçado. Não que ele não sinta aquelas coisas, mas era como se ele tivesse orquestrado um momento para eu ter que ouvi-lo — descansei a cabeça na mão, essa linha de pensamento se repetindo na minha cabeça. — E então eu me senti culpada. Ele falou sobre seu pai e disse que eu seria uma boa Wesley e... havia apenas uma saída, de alguma forma.
Minha mão livre segurou a barra da saia como se os dedos pudessem desfazer meus pensamentos emaranhados.
— Penso assim — comecei — ele me disse que começou a se sentir dessa maneira desde a noite da briga na cozinha, mas nós realmente não tivemos muita interação desde então, pelo menos não a sós. Então esse sentimento, essa profunda atração por mim... de onde foi que surgiu?
Neena assentiu.
— É como se ele estivesse apaixonado por alguém que ele pensa que você é, não quem a senhorita realmente é.
Meu corpo inteiro suspirou de alívio.
— É isso aí. Exatamente o que eu quis dizer.
— Então vai mandá-lo para casa?
Balancei minha cabeça.
— Não, prometi a Hale que ele seria o próximo. Ele está pronto, e não quero desapontá-lo, não depois de tudo o que ele fez por mim.
— Bom dia, Majestade. Oi, Neena. — Lady Brice entrou, segurando um bolinho na mão. — Majestade, tenho alguns documentos do seu irmão para serem revistos pela senhorita. Parece que a França quer renegociar o seu acordo comercial. Acho que será mais fácil do que nos últimos anos.
— Hã, isso seria algo pouco acessível para Ahren — eu tinha certeza de que isto era mais coisa de Camille do que dele, mas sabia que sua presença foi imprescindível.
— Com certeza si. Também tenho três contratos da Nova Ásia serem revistos; eles a esperam em sua mesa. E o produtor do Jornal Oficial gostaria de filmar uma entrevista com a senhorita esta tarde, algo sobre o tempo de transição, eu não sei.
— Ah, então, um dia agradável e fácil? — brinquei.
— Como sempre!
— Lady Brice, a senhorita ajudou o papai tanto assim?
Ela riu.
— Só por um curto tempo. Uma vez que a senhorita cresceu, ele quis que assumisse um papel maior. E assim que se sentir bem sozinha, reduzirei meus afazeres alegremente, ou talvez até me aposente.
Pulei fora do sofá e a agarrei pelos ombros.
— Não. Nunca. Você vai viver e morrer neste escritório!
— Como quiser, minha rainha.
— Vossa Majestade! Vossa Majestade! — alguém gritou.
— Josie? — perguntei, vendo como ela entrou correndo. — Qual o problema?
— Eu estava assistindo a televisão. Marid. — Ela estava respirando com dificuldade.
— O que tem Marid?
Ela engoliu em seco.
— Ele foi visto comprando anéis de noivado. Está nos noticiários.


Os conselheiros inundaram a sala enquanto nós assistíamos tudo se desenrolar. Muito rapidamente pessoas a quem eu não confiava meus segredos estavam conscientes do que Marid planejara e do quão próximo ele estava da coroa.
— Ele tem a aparência de um rei, não tem? — comentou um apresentador.
— Claro que tem! Ele descende de um! — Sua colega apresentadora respondeu.
— Realmente, isso não seria muito romântico?
— Seria. Oh, seria, mas ela está no meio de uma Seleção.
O apresentador balançou a mão no ar.
— Quem se importa? Deixe-os ir embora. Nenhum deles tem o charme de Marid Illéa, por uma discrepância gigante.
Passei os canais.
— De acordo com o joalheiro, o Sr. Illéa estava olhando algumas peças bastante caras, que só seriam apropriadas se ele estivesse realmente planejando propor casamento à rainha.
— Este é mais um caso improvável de uma série de acontecimentos sem precedentes em torno da família real. Em primeiro lugar, temos uma Seleção liderada por uma princesa, em vez de um príncipe. Em segundo, essa mesma jovem subiu ao trono muito antes do tempo para o qual foi treinada e na idade de seu pai quando assumiu. E agora temos um pretendente de fora tentando roubar o coração da rainha antes que alguém da Elite tenha uma chance. É absolutamente fascinante.
Passei os canais novamente.
— Kathy estava aqui quando o jovem Sr. Illéa chegou. Pode dizer-nos o que viu?
— Bem, ele parecia um pouco tímido no início, como se não estivesse pronto para admitir por que estava aqui. Mas depois de cerca de quinze minutos em que persistimos ao longo do caso, era bastante óbvio o que ele estava procurando.
— E ele pareceu atraído por qualquer coisa em particular?
— Ele me fez pegar, pelo menos, uma dúzia de anéis diferentes, e quando disse que não procurava nada daquilo, eu lhe disse que poderia projetar uma peça se ele quisesse, e seu rosto se iluminou. Espero que ele volte em breve.
— Então você escolheria Marid ao invés, digamos, do Sr. Hale ou do Sr. Kile?
— Oh, Deus! Eu realmente não posso dizer isso. Tudo o que sei é que a Rainha Eadlyn é uma mulher de muita sorte por ter tantos homens elegíveis cortejando-a.
Eu não aguentava mais. Desliguei a televisão e me sentei com um acesso de raiva no sofá.
— Eu deveria ter previsto isso. O silêncio parecia inteligente, mas agora ele parece enorme.
Sr. Rasmus resmungou.
— Precisamos de um plano.
— Nós temos um plano. Existe alguma coisa que realmente poderia ser feita além de me casar mais rápido?
General Leger estava de costas contra uma estante, ainda olhando para a tela vazia.
— Nós poderíamos matá-lo.
Suspirei.
— Eu realmente não quero que essa seja a minha maneira de resolver as coisas.
Sir Andrews estava com raiva também, mas por todas as razões erradas.
— A senhorita não deveria tê-lo provocado.
— Eu não fiz nada — respondi.
— Estava ignorando-o ativamente.
— Calma, Andrews — Lady Brice andava atrás do sofá, enfurecida. Ao vê-la, vislumbrei Josie de pé no canto. Ela devia ter perdido sua oportunidade de escapar e agora estava presa, parecendo assustada pelas vozes exaltadas e pela raiva que a cercavam. — Temos de calá-lo de uma vez por todas.
— A única maneira de fazer isso é fazer com que Eadlyn se case — Sir Andrews afirmou.
— Sim, estamos cientes disso — Lady Brice concordou em tom cansado. — Mas ela não deve ser apressada nisso. Como pode ter qualquer coisa perto de um casamento bem-sucedido se for por obrigação?
— É dever dela torná-lo bem-sucedido!
— Dever? Ela é uma pessoa — Lady Brice argumentou. — Concordou em fazer isso, e não há nenhuma razão...
— Ela nunca foi apenas uma pessoa! — Andrews lembrou. — A partir do segundo em que nasceu, ela tem sido uma conveniência, e nós precisamos...
General Leger estava se movendo na direção de Andrews.
— Diga isso outra vez. Eu não tenho medo de fazer da morte a minha maneira de resolver as coisas.
— Você está me ameaçando, seu pequeno...
— Parem — ordenei.
E foi incrível. Com o mais silencioso dos comandos, a sala inteira paralisou.
Eu sabia o que viria. E realmente tinha chegado a uma decisão. Marid mostrara a influência que realmente possuía, e eu tinha que lutar contra isso. Não podia deixar de me preocupar que mesmo o casamento não mantivesse o povo ao meu lado, mas era tudo que eu tinha.
— Lady Brice, a senhorita pode, por favor, trazer Fox para o escritório? É hora de nos despedirmos.
— Tem certeza, Majestade? Uma vez que os reduza a três...
— Eu não estou reduzindo-os a três — engoli. — Por favor, envie Hale logo depois. Anunciarei a minha escolha final esta noite, e faremos uma transmissão ao vivo amanhã à noite, em vez de no Jornal Oficial. Sem dúvida, depois desta semana, todos estarão assistindo.
— Absolutamente, Majestade.
— Então, Sr. Andrews, o senhor tem o seu avanço. Meu anúncio oficial de noivado virá do palácio amanhã à tarde.
— Tem certeza de que devemos esperar tanto tempo? Se Marid...
— Se Marid usar um truque estúpido, será derrubado em menos de vinte e quatro horas. Isso é bom o suficiente para mim, senhor, então certamente é bom o suficiente para você.
Eu me levantei. Consegui.
Tinha certeza de que algo aconteceria comigo, convencida de que todos na sala veriam uma parte minha que tinha perdido o oxigênio e sufocava ali. Em minha cabeça, eu via Eikko arrumar suas malas e desaparecer para sempre da minha vida. Era um novo tipo de dor, apontado para meu coração condenado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário