segunda-feira, 16 de novembro de 2009

Ghostgirl - A rapariga invisível

Título: Ghostgirl - A rapariga invisível
Autor: Tonya Hurley
Tradução: Rosa Amorim
Edição: Contraponto
Nº de páginas: 336

"Charlotte Usher sente-se praticamente invisível na escola, até que um dia fica mesmo. Pior ainda, descobre que está morta... e tudo por causa de um rapaz e de um urso de goma.
No entanto, a morte não impede Charlotte de seguir com os seus planos. Bem pelo contrário! Torna-se mais criativa e capaz de fazer qualquer coisa para atingir os seus objectivos: ser popular e conquistar Damen, o rapaz por quem se apaixonou."

Quando, numa das minhas últimas visitas a Lisboa, vi na livraria este pequeno livro cujo trabalho gráfico me fez lembrar vagamente Emily the Strange de Rob Reger não consegui resistir. E ainda bem... Foi sem dúvida uma das leituras mais divertidas dos últimos tempos.

Com uma escrita leve e num tom muito irónico, a autora guia-nos pelos meandros da vida num liceu americano (quer queiramos quer não os nossos não são iguais, e ainda bem - digo eu), centrando-se naquela miúda que ninguém vê e por cuja falta ninguém chora. Os episódios surreais um pouco ao estilo de Tim Burton começam a tomar conta da narrativa quando Charlotte se engasga com um ursinho de goma e acaba por morrer. E aqui passamos para um dos maiores tormentos do ser humano: o que há depois? O que acontece quando morremos?

Charlotte descobre que mesmo morta continuará com os mesmos problemas e com as aulas... Com vista a que a passagem para um novo plano seja bem sucedida, os jovens defuntos têm que frequentar o Ensino Especial para Mortos mas ali a hierarquia escolar também funciona e os mais populares continuam a não querer prescindir da atenção que sempre tiveram. Aqui há de tudo, jovens populares que morreram a caminho do baile ou por excesso de radiação do telemóvel, jovens que morreram de acidente de viação ou até por terem engolido a flauta, é surreal. Mas esta nova existência não satisfaz Charlotte que continua apostada em ser popular e conquistar o rapaz por quem estava apaixonada. E neste ponto as coisas podem complicar-se.
É uma leitura ligeira e cheia de humor negro e ironia que está longe de agradar apenas aos mais jovens. Penso que qualquer adulto que ainda se lembre de como é andar no liceu e das parvoíces que fazemos nessa fase da vida vai apreciar este livro. Apesar da cor e "alegria" do cenário escolar, toda a envolvência da narrativa é gótica e um pouco dark, o óptimo trabalho gráfico contribui também para nos dar esta ideia, o que pode também fazer com que o livro agrade a todos os que gostam deste tipo de elementos.
7,5/10
Quem quiser saber mais pode dar um saltinho à página oficial ou ao blog português.

Um comentário: