quinta-feira, 18 de dezembro de 2008

O Jogo do Anjo

Sinopse: Na Barcelona turbulenta dos anos 20, um jovem escritor obcecado com um amor impossível recebe de um misterioso editor a proposta para escrever um livro como nunca existiu a troco de uma fortuna e, talvez, muito mais.

Com deslumbrante estilo e impecável precisão narrativa, o autor de A Sombra do Vento transporta-nos de novo para a Barcelona do Cemitério dos Livros Esquecidos, para nos oferecer uma aventura de intriga, romance e tragédia, através de um labirinto de segredos onde o fascínio pelos livros, a paixão e a amizade se conjugam num relato magistral.

«Um escritor nunca esquece a primeira vez em que aceita umas moedas ou um elogio a troco de uma história. Nunca esquece a primeira vez em que sente no sangue o doce veneno da vaidade e acredita que, se conseguir que ninguém descubra a sua falta de talento, o sonho da literatura será capaz de lhe dar um tecto, um prato de comida quente ao fim do dia e aquilo por que mais anseia: ver o seu nome impresso num miserável pedaço de papel que certamente lhe sobreviverá. Um escritor está condenado a recordar esse momento pois nessa altura já está perdido e a sua alma tem preço.»

Eis-nos de volta a Barcelona, desta vez nas primeiras décadas do século XX. Acompanhamos David Martín, um jovem que trabalha num jornal e que aí começa a sua carreira de escritor. Várias peripécias levam a que um misterioso editor francês, Andreas Corelli, entre em contacto com David para lhe encomendar um livro muito especial. A partir daí, a história desenvolve-se com twists q.b., misturados com com elementos de mistério, terror e romance, estando a paixão pelos livros sempre omnipresente (todos eles, aparentemente, já uma presença constante nas histórias deste escritor).

Já no livro anterior tinha achado, e este só veio confirmar: Carlos Ruiz Zafón tem uma prosa maravilhosa, que enreda o leitor na sua teia. Certamente, um dos melhores escritores que tive o prazer de ler. Contudo, neste livro, a história não me cativou tanto. Não por ser má ou estar desprovida de interesse, mas acho que teve a ver com o facto de nunca me ter sentido emocionalmente ligada à personagem principal e às suas aventuras e desventuras. Apesar de a história ser narrada na primeira pessoa, senti-me sempre uma espectadora e tive alguma dificuldade em "entrar" na personagem e nas suas motivações. A história é interessante (prova disso é que li este livro relativamente depressa) e, a espaços, realmente emocionante, mas fiquei sempre com a sensação que faltava qualquer coisa.

Gostei das "piscadelas" à história d'"A Sombra do Vento": foi muito bom regressar ao Cemitério dos Livros Esquecidos e conhecer um pouco mais da história da família Sempere.

Tal como muita gente, adorei "A Sombra do Vento", daí as enormes expectativas que criei para a leitura deste livro. Tal como já referi noutras alturas, nem sempre as grandes expectativas são boas companheiras de leitura, como neste caso. É impossível dissociar este livro do anterior e, apesar da possível comparação ingrata, considero-o inferior. Não quer isto dizer que não estejamos perante um excelente livro e que não recomende a sua leitura.

8/10

2 comentários:

  1. Oi eu adorei o site mas não sei como baixar pode me ajudar obrigada

    ResponderExcluir
  2. Também não sei como baixar este livro.

    ResponderExcluir