quinta-feira, 22 de maio de 2008

Palavra de criança

Semana passada descobrimos que um livro do acervo do projeto não havia descansado na prateleira desde o recomeço das atividades em 2008. Seis semanas depois, seis crianças diferentes pegaram o tal livro para ler. Tempos atrás, a Júlia leu este livro e me disse que tinha gostado muito. Baseada nesta informação, resolvi apresentá-lo à turma assim que ele chegou ao acervo. No mesmo dia aconteceu o primeiro empréstimo e, desde então, está passando de mão em mão numa disputa acirrada sempre que ele retorna à casa. Estou falando do livro Tem um cabelo na minha terra (texto e ilustrações de Gary Larson, Cia das Letrinhas). Curiosa, no último sábado perguntei para algumas crianças sobre o que elas acharam da leitura:

- É muito engraçado! – disse uma.

- A gente não consegue parar de ler! – disse outra.

- É um livro muito bom! – Finalizou uma terceira leitora.

Com argumentos tão fortes e sinceros, fui descobrir as delícias desta história de minhoca e me surpreendi com as sutilezas que o autor colocou no texto e nas ilustrações.
Tem um cabelo na minha terra é, antes de tudo, um livro muito engraçado. Uma família de minhocas (pai, mãe e filho) jantam em casa quando o pequeno minhoco encontra um cabelo na terra que comia. Ele acha tudo aquilo o fim da picada: “Estamos debaixo de todo o mundo! Somos o último escalão da cadeia alimentar! Comida de passarinho! Isca para pescaria! Que vida é essa, me digam! Nunca saímos para nadar, para acampar, para uma caminhada, nada! (...) E além do mais, eu já ia esquecendo, comemos terra! Terra no café da manhã, terra no almoço, terra no jantar! Terra, terra, terra! E agora, ainda por cima, vejam só! Aparece um cabelo na minha terra! O insulto final – não agüento mais! Detesto ser minhoca!”. Papai minhoco resolve, então, contar a história de Benedita, uma linda donzela que vivia numa floresta e que se encantava com a magia da natureza. Durante um passeio, a moça vai se encantando com a natureza ao redor, enquanto o senhor minhoco, narra todos os equívocos daquele encanto superficial, oferecendo ao seu filho – e ao leitor - um choque de realidade. Tudo com muito humor. Ao final, o pequeno minhoco percebe que amar a natureza não é o mesmo que entender a natureza, que o mundo natural é feito de conexões e que as minhocas também têm sua importância para o bom funcionamento do todo. As ilustrações brincam o tempo todo lado a lado com o bom humor do texto. Por exemplo, na sala de jantar das minhocas, a terra está servida em pratos, acompanhados de talheres. Não preciso lembrar que minhocas não têm braços (dããããã). Gary Larson conta uma história divertida, inusitada, que oferece caminhos para ensinar ao leitor sobre preservação do meio ambiente.

Analisando as respostas das crianças que fizeram a leitura de Tem um cabelo na minha terra por puro impulso, estimuladas pela propaganda de um leitor anterior, da mesma idade, do seu círculo de amigos, a gente percebe que o livro de Gary Larson encanta porque – antes de tudo - tem um texto inusitado que contagia, que provoca risos e que é, por fim, muito bom. Palavra de criança. Quem somos nós para duvidar. Hatuna Matata.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário